[+QP] Eu sinto muito

Acordei com a luz da manhã entrando pela janela do meu quarto e com os olhos semicerrados, olhei ao meu redor. Tudo estava arrumado, bem ao contrário do último dia em que pus meus pés aqui dentro. Levantei calmamente, respirei fundo e fui ao quarto dos meus pais. Queria perguntar como e aonde eles me encontraram, mas ao invés de encontra-los na cama, como era de costume, eles não estavam lá. Da porta consegui avistar uma caixa embaixo da cama deles, não havia nada de mais nela, mas alguma coisa me impulsionou para ir pegá-la. Ao puxá-la vi vários cartazes de pessoas desaparecidas, mas o curioso era que em todos haviam apenas uma única foto. A minha!

Fiquei surpreso ao ver aquilo, pois nunca imaginei que meus pais iriam me procurar depois de tudo o que fiz e falei para eles. Larguei os cartazes na cama e fui procurar os dois pelo resto da casa. Mas tinha algo de errado comigo, alguma coisa me incomodava e eu não sabia o que era. Havia algo estranho no ar e eu não conseguia distinguir o que era. Estava tudo uma calmaria incômoda, um silêncio ensurdecedor. Ao chegar na escada, escutei soluços vindo da direção da cozinha. Quando cheguei lá, avistei minha mãe sentada à mesa, com uma xícara de café e muito concentrada, com os olhos fixos no telefone em cima da mesa. Sua expressão parecia de preocupação, então tentei não fazer nenhum barulho ao me aproximar. 

Ela pareceu não notar minha presença, então eu disse um "Oi" que saiu como um sussurro abafado, mas ela continuava lá, imóvel, sem sequer desviar o olhar do telefone. Me aproximei devagar até estar frente a frente com ela e ainda sem parecer ter notado minha presença, falei um "Oi" com a voz mais firme. Mesmo assim, ela não mexeu um músculo sequer e continuou ali, parada, olhando para o telefone. No início pensei que ela estava apenas me ignorando, ou chateada demais para me olhar, mas eu não desisti. Comecei a fazer várias perguntas, uma atrás da outra, mas não tive muito sucesso. Já estava ficando cansado com aquela situação, então gritei para que ela tirasse os olhos daquele maldito telefone e olhasse para mim, mas fui interrompido por alguém que batia na porta.

Logo que ela ouviu, ela se levantou e se encaminhou à porta. Fui atrás dela completamente irritado pelo fato de ela ter me ignorado como se eu fosse invisível. Mal sabia ei o estava por vir. Ao abrir a porta, um policial estava aguardando ela do lado de fora. Antes mesmo que ele abrisse a  boca para falar alguma coisa, minha mãe fez perguntou: "Você o encontrou? Ele está bem?". Na hora eu não compreendi, mas a resposta veio logo em seguida. O policial começou a falar calmamente: "Encontramos seu filho em uma estrada não muito longe daqui, senhora! Infelizmente ele sofreu um acidente e não resistiu aos ferimentos. Eu sinto muito!". Foi essa hora que compreendi o por que minha mãe parecia não me escutar. Subi imediatamente para o meu quarto, me deitei e fechei os olhos. De repente, minha vida começou a passar como um filme em minha cabeça, até o momento do acidente. Então abri meus olhos novamente e disse num sussurro: "Me desculpe!" e fechei os olhos novamente, mas desta vez, foi para sempre.

Esse texto faz parte do elemento surpresa do grupo Mais Que Palavras. Ele foi baseado no tema: Você encontra cartazes de "pessoa desaparecida" debaixo da cama de seus pais. Todos eles tem sua foto.

Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Nossa,emocionante,foi completamente diferente da história que eu tinha pensado e isso foi tão legal rs
    Adorei :)
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, muito obrigado Jenny! Fico muito feliz em saber que você gostou ^^
      Beijos ♥

      Excluir
  2. Uoou, que reviravolta Andressa, juro que não pensei que o final seria esse.
    E acredito que a melhor sensação para o leitor é essa de ser surpreendido.
    Beijo e parabéns.

    www.tecontopoesia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Cami! Até eu fiquei meio surpresa quando li o texto depois, rs. E muito obg viu!
      Beijos ^^

      Excluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luccas, tudo ótimo e com você? As vezes nem eu sei de onde consigo tirar essas ideias ou criatividade como você diz, rs. Elas sempre surgem do nada na minha cabeça :)
      Beijos ^^

      Excluir
  4. Ameei! Adoro essas histórias assim. Seu texto tá lindo, parabéns!
    anpartofme.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Deixe um comentário, eu irei adorar saber o que achou sobre o post! ❤
Não se esqueça de clicar na caixinha "Notifique-me" para saber qual foi a minha resposta!