11 setembro, 2017

Escola dos Mortos (Karine Vidal)


Quando a Karine me mandou uma mensagem propondo uma parceria, eu fique extremamente feliz, porque eu já tinha me deparado algumas vezes com o livro dela, mas nunca tinha chegado a procurar conhecer mais sobre a história, por motivos de; ressaca literária e leituras atrasadíssimas! Então, quando ela me propôs essa parceria, achei uma boa oportunidade de dar uma chance a essa leitura que despertou meu interesse assim que bati o olho no título. Mas afinal, quem é que não fica curioso com um livro intitulado Escola dos Mortos?

E dentro dos caixões, os mortos nunca dormem


Lara Valente irá morrer. Mas sua história não termina por aqui. Pelo contrário: é aí que ela começa. 
A jovem carioca será enviada para um misterioso internato na Inglaterra. Mas o lugar esconde um segredo. Lara se deparará com vozes de gente morta em gravadores, assassinatos misteriosos no colégio, meninas mortas que ainda moram nos quartos, e um despertar assustador num caixão. 
Tudo isso vai leva-la a descobrir que, por trás da fachada da Escola dos Sotrom, existe uma Escola muito mais perigosa, cheia de segredos, pactos e mortes. 
Nessa Escola repleta de ocultismo, Lara será assassinada. Mas sua história ainda não terminou. Ela acordará em um mundo paralelo, um universo glamouroso onde vivem a nata dos melhores, escolhidos à dedo pela Morte. 
A Escola dos Mortos abriga os que foram assassinados e enviados para lá. Uma sociedade escondida em que existem apenas os melhores, coexistindo em segredo, bem debaixo do nariz da Escola dos Vivos. 
Adolescentes mimadas, carros luxuosos, segredos escandalosos, campeonatos, corridas e caçadas. 
Lara irá se apaixonar por um homem perigoso. Luka Ivanovick, com seus olhos negros, hostis e arrogantes – repletos de ocultismo e falta de respostas. Através dele, Lara descobrirá a cruel história por trás de sua morte. 
Paixão, mistério e um jogo de sedução escuro e apimentado irão acontecer entre o mundo real e o misterioso mundo noturno da Escola – até Lara descobrir que, dentro dos caixões, os mortos daquele lugar nunca dormem.


Essa história é uma mistura de fantasia, romance dark e suspense. Logo na sinopse já é deixado claro que Lara irá morrer, mas também é deixado claro que é a partir de sua morte que a história começa. De fato é a partir desse acontecimento que vamos adentrar em um mundo completamente diferente daquele ao qual Lara foi enviada para estudar. Vamos conhecer o mundinho que a Morte criou para colocar todos os alunos que são interessantes e brilhantes em um só lugar, e como é a vida deles na Escola dos Mortos. Mas, um pouco além disso, também vamos conhecer um outro lado da Morte, um lado mais humano, por assim dizer.

Comecei a leitura do livro sem muitas expectativas, então não imaginava que iria lê-lo tão compulsivamente. A leitura é muito instigante e, quando me dei conta, não conseguia parar de pensar na história e em todas as coisas que tinha acabado de ler, criando teorias de quem era a pessoa que matava os alunos na Sotrom, ou tentando desvendar os segredos da família Ivanovick (ô família misteriosa, viu!). Só sei que eu estava quase dando uma de Sherlock Holmes, anotando cada detalhe que me chamava a atenção e tentando descobrir os mistérios de toda a história. Ok, alguns eu até consegui descobri antes de serem revelados e até fiquei eufórica quando confirmei, mas alguns me pegaram completamente de surpresa.

O que começou a me encantar na história foi a arquitetura da escola Sotrom, que me fez muito lembrar aqueles castelos medievais antigos. Isso me fez desejar muito ir estudar naquela escola e me fez entrar ainda mais de cabeça na história. Eu conseguia imaginar tudo direitinho dentro dela, como se estivesse assistindo a uma série. Sim, esse é aquele tipo de leitura que as cenas ficam passando diante de nossos olhos de tão envolvidos que ficamos com a história. E acho até que é isso que deixa a leitura tão viciante, ao ponto de não deixar o leitor sossegado até chegar ao último ponto final, onde ~finalmente~ descobrimos todos os mistérios da trama.

Os personagens também não deixam a desejar. Eles são divertidos, carismáticos e bem construídos, cada um com seu jeito de ser e sua personalidade marcante. Os protagonistas são como fogo quando estão juntos, mas não vou negar que eles acabaram me incomodando em alguns pontos. O Luka, por exemplo, é um personagem extremamente possessivo, mas também é super protetor (o que explica um pouco a possessividade dele em certos momentos). Só que, o fato de ele não se aproximar da Lara, mas também não deixar ninguém chegar perto, me irritou um pouco. Mas ainda assim, ele não deixa de ser um personagem irresistível e que me deixou de queixo caído depois de uma revelação aí...

Já a Lara, eu gostei muito dela, porque ela é aquele tipo de personagem que não abaixa a cabeça pra ninguém e que tem uma personalidade forte. Mas, o que me incomodou um pouquinho foi ela ficar com uma certa dependência da presença do Luka, mas nada que estrague a personagem. Aliás, acho até que isso é coisa minha cabeça mesmo, mas enfim.


Escola dos Mortos foi uma leitura surpreendente pra mim, porque não é sempre que livros com essa pegada me agradam tanto quanto este e que me tira o fôlego a cada descoberta e reviravolta. Posso dizer que essa foi uma das minhas melhores leituras do ano, principalmente por ser um livro nacional. Gostei muito da forma que a autora conduziu toda a trama e do ar nostálgico de duas sagas bem conhecidos pelos leitores (as quais não irei dizer, hehe). Mesmo com o ar dessas duas sagas, a autora conseguiu trazer algo novo e ao mesmo tempo único, e eu amei muito isso.

Pra finalizar, eu recomendo muito esse livro para quem está procurando algo diferente na literatura nacional. A história é fluída, gostosa e intensa, além de deixar aquele gostinho de quero mais quando acaba. Foi uma experiência incrível poder ler esse livro e agradeço muito à Karine por essa oportunidade *-* (sério, mulher, obrigada por ter me proporcionado uma das minhas melhores leituras do ano!).


Apesar de alguns errinhos que encontrei durante a leitura, como uma mistura de passado e presente na mesma frase, isso não interferiu em nada no rendimento dela. O livro ainda não tem uma versão física, mas, se não me engano, ela vai sair esse mês, yay! Ah, e como se não bastasse isso, a história também vai ter uma continuação, e só espero que ela não demore muito, porque eu não sei se vou me aguentar de curiosidade, hehe.





Título: Escola dos Mortos | Autora: Karine Vidal | Editora: Livro Novo | Páginas: 749 | ISBN: B0725Q9M91

Adicione: Skoob (ou compre aqui!)

Alguém aí já tinha ouvido falar do livro? Ficou curioso ou com vontade de ler? Não se esqueça de me dizer aqui nos comentários, chuchus! Ah, e uma vez aluno da Sotrom... Para sempre aluno da Sotrom.

Até a próxima, cativados! E nos vemos nos papéis legais por aí ツ

06 setembro, 2017

Três mundos literários que amo e me inspiram


Se tem uma coisa que eu amo mais do que ler, é poder falar sobre livros até cansar (coisa que eu nunca me canso de fazer, hehe).  Como uma viajante de dimensões, eu vivo pulando de um universo à outro, sendo que um dia estou em um lugar, e no outro, estou do outro lado do infinito mar de estrelas. Acontece que, fazer essas viagens tem levado a minha imaginação à loucura de tantas ideias e agitado um pouco mais meus pensamentos inquietos, mas isso é bom, porque estou começando a entender um pouco mais eles, finalmente! 

De todos esses universos que viajo, existem aqueles que tem um lugarzinho especial no meu coração, e eu sempre tento trazer um pouco deles para o mundo real, só para não deixar as coisas tão monótonas e sem cor como sempre. Falar desses lugares sempre levantam meu ânimo, o único problema é que quando eu começo a falar, não consigo parar mais. E existem três em especial que eu gostaria muito de compartilhar aqui com vocês hoje. Então vamos lá!

O País das Maravilhas



Eu não poderia começar falando de outro lugar que não fosse o meu tão amado País das Maravilhas. Ele foi um dos primeiros lugares literários que conheci, e isso graças a animação da Disney que assisti quando era criança (obrigada, Disney, por me fazer a criança mais feliz do mundo!). Desde então sou completamente encantada por esse universo psicodélico que o Carroll criou, e amo demais os personagem, a história louca, o cenário ~lindo e sombrio~ que o Tim Burton criou, e tudo o que envolve o País das Maravilhas. E acredito de pés juntos que ainda vou encontrar aquela toca do coelho um dia, haha.

Não é a toa que esse lugar se tornou uma inspiração na minha vida. Com ele aprendi muitas coisas que trago até hoje no meu coração, além disso, ele sempre foi um refúgio para mim. Sempre que eu estava triste, deprimida ou tendo minhas crises existenciais e de ansiedade, eu pegava o livro e começava a ler, e, como num passe de mágica, me animava de novo e ficava com um sorriso bem largo no rosto ツ Sem contar nos momentos felizes que a história me acompanhou também. 

Quando eu viajava, o livro que sempre me acompanhava era uma versão pocket que eu tinha de Alice no País das Maravilhas, e olha que eu não era lá muito fã de leitura naqueles tempos. Lembro que sempre levava ele escondido na mala, porque minha mãe sempre me perguntava pra onde eu estava indo com aquele livro na mão. Na verdade, até hoje ela me pergunta isso quando me vê com algum outro livro em mãos (risos). Mas o que eu dizer é que essa história tem me acompanhado em muitos momentos da vida e que continua me acompanhando sempre ♥

Nárnia



Eis aqui outro lugar que me inspira muito nessa vida. Foi por culpa dele que engatei de vez nesse universo literário, e fico muito feliz por isso ter acontecido. Desde a primeira vez que entrei dentro daquele guarda-roupa junto com a Lúcia (também nos filmes da Disney), desejei não sair nunca mais de Nárnia. Achei aquele lugar tão mágico e encantador, principalmente os bosques, que quase não aparecem nos filmes, o que é muito triste, por sinal. Mas, ainda assim, Nárnia tem sido uma inspiração na minha vida desde o dia em fui para lá. Assim como no País das Maravilhas, eu me sinto acolhida quando penso neste universo, e sempre que assisto algum dos filmes, ou olho para o livro, sinto uma sensação muito boa de aconchego dentro do meu coração.

Me encantei tanto pelos narnianos que até me tornei uma, hehe. Todo dia eu dou uma passada por lá para cavalgar por todos os bosques lindos e explorar um pouquinho mais daquele mundo imenso. Sei que pode parecer até infantil isso, mas eu nem ligo! O melhor de tudo é poder conversar com o Aslam, não só nos meus sonhos, mas aqui na vida real também. Fiquei muito feliz por ter conseguido identificá-lo desse lado, isso era o que eu mais desejava desde a primeira vez que assisti o filme ^.^

O lar das crianças peculiares



Esse universo aqui foi um dos mais recentes que passei a viajar, mas é um que sempre me inspiro no dia a dia. Antigamente eu tinha uma insegurança muito grande com relação a algumas coisas que eu gosto, e o motivo é bem simples; meus gostos não são muito comuns entre as pessoas que convivo diariamente. Digamos que eu tenho a imaginação um pouco fértil demais, segundo elas dizem. Mas eu discordo! Elas é que tem a mente muito limitada 😋 

Há alguns anos atrás, eu e uma amiga minha costumávamos sair de casa mais cedo para ir pro curso, e isso porque a gente gostava de ficar uma boa hora no cemitério antes da aula começar. Alguns colegas nossos achavam a gente estranha por causa disso, e, bem, chega uma hora que você cansa de ser chamada de estranha o tempo todo e acaba por mudar e se privar um pouco de fazer as coisas que tanto gosta. Isso é muito triste, sabia? Deixar de ser quem você é de verdade só para agradar os outros é um saco! Só é uma pena que percebi isso depois de alguns anos. Mas antes tarde do que nunca, não é?

A questão é que, depois que li esses livros, ele só reforçou ainda mais o que eu acredito; que não há nada de errado em ser diferente ou "estranho". Já faz um tempo que percebi que ser estranho é algo bom, no final das contas. É algo que torna de mim, quem eu sou de verdade, um ser único entre milhares de outros seres únicos, oras! E agora percebo que eu nunca deveria ter tido medo disso, de ser diferente dos outros e ter gostos peculiares aos deles. Hoje em dia não ligo mais se as pessoas ainda me acham esquisita ou se me olham torto. Só me importo se estou feliz sendo do jeito que eu sou e ponto.


Claro que existem alguns outros mundos literários que amo e que me inspiram (como Coraline, O Pequeno Príncipe e o universo de Harry Potter, por exemplo), mas eu pretendo falar um pouco deles mais para frente. Por ora, queria só declarar um pouco do meu amor e gratidão por esses três universo literários, que fazem de mim, quem eu sou; uma pessoa que se encontrou neles e que se sente em casa quando viaja para qualquer um deles. Mas enfim. 

Qual é o mundo literário que vocês mais amam ou se inspiram? Alguém aí também gosta de algum dos que eu citei? Me conta aqui nos comentários, vou adorar saber!

Até a próxima, cativados! E nos vemos nos papéis legais por aí! Ou melhor dizendo, em outras dimensões por aí 

01 setembro, 2017

Tag: Sou Potterhead


Esses últimos dias foi uma correria do lado daqui. Andei muito ocupada com os preparativos para voltar para Hogwarts e, finalmente, depois de enfrentar a estação de King's Cross lotada de trouxas e atravessar a plataforma 9 ¾ , cá estou eu, dentro do Expresso de Hogwarts e à caminho da minha escola de bruxaria mais amada, yay! Pois é, hoje começa mais um ano letivo e fiquei feliz quando me dei conta de que esse também será o primeiro ano do Alvo e do Escórpio, hehe. Mas, por Merlin, como setembro demorou para chegar >.<' Eu quase morri de tanta ansiedade, mas finalmente ele chegou e eu estou aqui, dando pulinhos de alegria enquanto não chego na escola (provavelmente já terei chegado quando o post for ao ar).

Como hoje é um dia muito especial para os fã deste universo incrível que JK criou, decidi trazer algo relacionado à ele, já que também amo ~demais~ essa história. Acho que quem me segue lá no twitter deve até estar irritado comigo, porque não falo outra coisa que não seja de Harry Potter (risos). Então, como esses dias vi essa tag lá no blog Um Remédio Chamado Ler, decidi que iria responder ela hoje aqui no blog ^.^

Back to Hogwarts



1. QUAL É O SEU LIVRO FAVORITO?

É meio difícil escolher apenas um entre os sete. Eu amei demais todos, sem exceção, mas sempre que me perguntam qual foi o meu favorito fico em dúvida entre Prisioneiro de Azkaban, Cálice de Fogo e Ordem da Fenix. Mas se é para escolher um, hoje vou escolhe Cálice de Fogo, já que é o que eu mais tenho vontade de reler.

2. QUAL É O SEU FILME FAVORITO?

Essa é fácil, haha. Mesmo que eu goste muito de todos os filmes (sim, gosto de O Enigma do Príncipe u.u), o meu favorito sempre será o primeiro, porque foi por causa dele que conheci esse universo mágico e isso faz com que eu tenha um carinho muito especial por ele *-*

3. E O LIVRO QUE MENOS GOSTOU?

Já falei que gosto de todos, mas se for para escolher um que menos gosto é o Criança Amaldiçoada. E isso não é por ele ser ruim, é que, como ele é o roteiro da peça, senti falta da história ser contada como as outras, sabe? Mas mesmo assim eu gosto dele, e fiquei feliz por ter tido o gostinho de poder acompanhar algumas travessuras dos filhos deles, sem contar que amei demais ver o Alvo e o Escórpios juntos (shipo muito esses dois, haha).


4. QUE PARTES DO LIVRO/FILME QUE TE FIZERAM CHORAR?

Ok, essa resposta vai ser mais um desabafo que tenho entalado na garganta há muitos anos. Até hoje eu não consigo entender o porquê os autores adoram matar os personagens mais queridos (George Martin quem o diga, matou uma tonelada né!). Só que eu nunca vou conseguir entender isso. Os autores tem todo um trabalho para fazer um personagem cativante e querido, para no final, decidi matá-lo e estraçalhar nossos corações e nos fazer sofrer. Agora me diga; pra que isso?

Mas, voltando a pergunta da tag, posso dizer que chorei muito em todas as mortes, até mesmo na da Edwiges (nem a coruja escapou!). Até a JK se arrependeu de ter matado vários personagens no último livro, só que tem duas mortes que até hoje eu não superei e que não irei superar nem tão cedo, que é a do Dobby e a do Fred :'(

5. SE VOCÊ PUDESSE SE ENCONTRAR COM ALGUNS DOS PERSONAGENS DE HP, QUEM SERIA? 

Com certeza seriam o Fred e o Jorge, a Luna, a Hermione, a Gina e o Rony ^.^

6. QUAL É O SEU PERSONAGEM FAVORITO? 

Hmmm... Difícil, muito difícil... Uma personagem que conquistou meu coração foi a Luna e aquele seu jeitinho todo peculiar de ser. Ela foi uma das personagens que mais me identifiquei e, convenhamos, a Luna é uma fofa mesmo ^^

7. O QUE SERIA O SEU PATRONO?

Eu sempre imaginei o meu patrono como uma raposa, e fiquei muito feliz quando ~finalmente~ o Pottermore liberou esse teste. Fui correndo fazer e vocês não imaginam a minha felicidade quando, depois de terminar o teste, saber que meu patrono era exatamente o que eu imaginava; uma raposa *-* Eu até fiquei emocionada, porque o patrono é o feitiço que acho mais lindo!


8. SE VOCÊ PUDESSE TER A PEDRA DA RESSURREIÇÃO, A CAPA DA INVISIBILIDADE OU A VARINHA MAIS PODEROSA, QUAL VOCÊ ESCOLHERIA?

Sempre que me deparo com essa pergunta e tento fugir dela, porque, sinceramente, eu não iria querer nenhuma delas. Pois é! Mas, se for para escolher uma, acho que escolheria a Capa da Invisibilidade, só pra colocar ela, sentar e um parque e ficar observando as pessoas passarem sem me notar ali, ou para ir ao cemitério a qualquer horário, mas calma que não serie para assustar alguém, era só para poder caminhar sem o guarda ficar olhando para minha cara com cara de "o que essa maluca tá fazendo andando no meio de um cemitério?" rs.

9. EM QUAL CASA VOCÊ FICARIA?

Nunca me considerei de nenhuma casa, já que todas que me identifico com as características das quatro. Só que, lá no fundo, eu sempre me perguntei de qual casa seria, por isso fiz o teste lá no Pottermore e descobri que sou da Corvinal 💙 Mas não vou negar que cada uma das casas tem um lugarzinho muito especial no meu coração.

10. SE VOCÊ PUDESSE SE ENCONTRAR COM QUALQUER ATOR, QUAL VOCÊ ENCONTRARIA?

Com o Alan Rickman, mas infelizmente não tem mais como :( Só que, com certeza eu gostaria de me encontrar com todos, mas tem três em especial que eu gostaria muito, mais muito mesmo, que é a Emma Watson, a Evanna Lynch e a Bonnie Wright *-*

11. JA JOGOU ALGUM DOS VÍDEO GAMES? 

Infelizmente não, mas eu quero muito poder jogar algum dia. Enquanto isso, eu fico me matando jogando o Riddle Diário, um jogo de enigmas criados por fãs desse universo. Pensem num jogo de quebrar a cabeça é esse!


12. SE VOCÊ JOGASSE NO TIME DE QUADRIBOL EM QUE POSIÇÃO VOCÊ JOGARIA?

Pra ser sincera, seria muito mais seguro se eu me mantivesse longe dos jogadores e com os pés no chão, rsrs. Se eu já não tenho equilíbrio com os dois pés no chão, imaginem em cima de uma vassoura?! Então acho melhor evitar tragédias desnecessárias.

13. VOCÊ FICOU FELIZ COM O FINAL?

Acho que o final foi mais que merecido. Poxa, depois de tudo e todas as pessoas queridas que o Harry perdeu, ele precisava de um final feliz, né? Então sim, eu gostei do final :)

14. O QUANTO HARRY POTTER SIGNIFICA PARA VOCÊ?

Acho que deu pra perceber que essa história é bem especial para mim, não é? Harry Potter marcou muito a minha infância e lembro até hoje quando me deparei com a fita HVS dele em uma locadora e fiquei implorando pra minha mãe que queria assistir aquele filme. No final, até ela gostou, mas não tanto quanto eu, hehe.

Bom, por hoje é isso, cativados! Espero que tenham gostado da tag e sintam-se à vontade para responder. Agora vou aproveitar o final da minha viagem pra reencontra os migos aqui no Expresso de Hogwarts, haha. Ah, e me digam qual é a casa de vocês também, quero conhecer meus colegas de casa 💙

Nos vemos nos papéis legais  por aí! Ou nos corredores de Hogwarts, hehe