Treze (FML Pepper)


Essa resenha estava aqui nos meus rascunhos há algumas semanas, mas por estar com alguns probleminhas de saúde e na internet, acabei adiando ela um pouco. Mas eram exatamente três da manhã quando terminei a leitura desse livro, e quase cinco da manhã quando terminei esta resenha (o que me faz lembrar que eu já estava acordada há quase 24 horas D:). Eu estava morrendo de sono quando concluí a leitura, mas minha cabeça estava com um milhão de pensamentos por causa do desfecho da história e eu precisava tranquilizar meus pensamentos inquietos, caso contrário, não iria conseguir pregar os olhos. Então tive que fazer essa resenha na mesma hora, hehe.

Ah, esse livro foi um recebido muito inesperado da Galera Record que chegou há um tempinho atrás aqui em casa e que me arrancou um sorriso maior do que o do gato Cheshire ツ

A história



Rebeca é uma garota sem escrúpulos ou fé que foi criada para ser uma ladra. Seus esquemas sempre funcionam da seguinte maneira: decifrar códigos, invadir contas milionárias e roubá-las, e desaparecer do mapa logo em seguida. Ela é uma super hacker e já está tudo planejado para o maior golpe de sua vida... até encontrar Madame Nadeje, a enigmática cartomante do decadente parque de diversões. Mas, para nossa protagonista, ouvir seus segredos e as previsões de uma velha cartomante não a impedem de seguir com o plano adiante, afinal, ela só acredita no poder dos números e nas estatísticas, então o que poderia dar errado? Porém, ela vê seu mundo virar do avesso e sua vida se transformar em um grande pesadelo ao enfrentar as previsões da vidente.

Tudo o que Madame Nadeje falou aconteceu, e só uma previsão não se concretizou ainda: a de que seu décimo terceiro namorado (que será o grande amor da sua vida) colorá tudo de volta aos eixos de novo. Agora Rebeca está contra a própria lógica, acreditando e tendo fé que o número traze será a sua salvação. Até parece ser simples resolver isso, aliás, é só mais uma questão numérica, mas o problema é que dois homens perfeitos cruzaram sua vida ao mesmo tempo e agora ela se vê dividida entre os dois que, querendo ou não, combinam perfeitamente com a previsão da cartomante.

Karl é um deles, e trás consigo uma história do passado. Ele era um orgulhoso lutador do MMA, mas passou por uma grande decepção amorosa que acabou resultando em um acidente. Acontece que, esse acidente, deixou um coágulo inoperável em seu cérebro que pode se romper em um piscar de olhos. Mas o rapaz está determinado a esconder isso de todos e tenta a todo custo, levar uma vida normal e tranquila, passando longe de lutas ou de qualquer outra briga... bom, isso até conhecer Rebeca, a qual Karl está decido a jogar toda a precaução pelo ralo por ela.

A resposta está muito além do número treze!



Como na maioria das vezes em que leio a sinopse de um livro, criei algumas expectativas na minha cabeça em cima desse e que no final acabaram não correspondendo ao que eu esperava. Pra mim, o que era para ser a história de uma garota que só acreditava na lógica, acabou se tornando uma coisa um pouco diferente daquilo que foi proposto; a história de uma garota convertida. Mas isso foi por causa de algumas reviravoltas que a trama tomou no finalzinho que me fizeram ficar meio balanceada com tudo o que já tinha acontecido antes e me fizeram pensar dessa forma.

Acontece que Treze não se trata apenas de uma garota sem fé que viu sua vida virar de cabeça para baixo por causa de uma previsão, ou de saber quem ela vai escolher no final. Aqui tem uma mensagem que, a princípio, eu não tinha captado e acabei interpretando mal no começo, mas depois que parei para analisar, entendi ela melhor. A mensagem que a história nos passa é que precisamos prestigiar as coisas simples que acontecem e viver cada momento como se fosse o último. Que a fé e o amor verdadeiro são importantes em nossas vidas e nos tornam pessoas melhores. E também que precisamos dividir mais nossos sentimentos com quem amamos e partilhar de momentos mais prazerosos ao lado das pessoas importantes para nós.


A escrita da autora é simples e ao mesmo tempo instigante, o que deixa a leitura muito agradável. A história é intercalada entre os pontos de vista de Rebeca e Karl, o que nos permite ver/saber o que se passa com eles no mesmo momento em que estava se passando algo com o outro, fazendo as histórias dos personagens terem uma ligação e se cruzarem em determinados momentos. Mas, sendo bem sincera com vocês, não consegui me cativar tanto assim por eles ao ponto de morrer de amores, e acho até que foi isso que fez a leitura demorar um pouquinho para fluir no começo e se arrastar um pouco em outras partes (como no desfecho).

Gostei como a autora desenvolveu o romance entre os personagens e, mesmo eu não gostando de triângulos amorosos, o que encontrei aqui não me incomodou tanto, porque por várias vezes me vi esquecendo do terceiro indivíduo, já que o foco da história não era exatamente esse triângulo amoroso. Mas Pepper conseguiu criar personagens bem reais, mostrando que, apesar de seus defeitos, é possível se tornar alguém melhor por aqueles que tanto amam, deixando seus orgulhos de lado e dando um rumo diferente à suas vidas, deixando o passado no passado e só levando o aprendizado com eles.

Bom, quanto a Madame Nadeje, só posso adiantar que a revelação de quem ela é me pegou de surpresa, mas foi aquela surpresa que ainda não consigo opinar se gostei ou não de fato. Só posso dizer que essa revelação foi um dos motivos para me fazer pensar da forma como falei lá em cima, mas vou parar por aqui para não dar spoiler.

Sempre tive uma curiosidade para ler algo da FML Pepper e gostei muito de ter começado por esse. O livro pode não ter me prendido tanto do começo ao fim, mas ainda assim é uma leitura agradável e que recomendo, já que a história é daquelas cheia de paixões, desencontros e reviravoltas que deixam o leitor com o coração apertado em alguns momentos, e loucos para saber como tudo irá acabar e se entrelaçar no final ^^


A edição de Treze segue a padrão, capa brochura com o número 13 em uma tinta dourada (que infelizmente a de uma letra da lombada já está quase “apagada”), páginas amareladas e com uma fonte de tamanho bem agradável para leitura, o que a faz ficar mais rápida, principalmente nos capítulos maiores. A capa não é umas das minhas favoritas da estante, mas ainda assim acho ela muito linda e mágica *-*




“Por detrás das belas fachadas há sempre um lado sombrio ocultado”



“A nossa maior riqueza não são os bens materiais, mas as pessoas que amamos”



Título: Treze | Autora: FML Pepper | Editora: Galera Record | Páginas: 406 | ISBN: 978-85-01-11093-0

Alguém aí já leu o livro? Ficou com vontade de ler? Me conta aqui nos comentários que vou adorar saber o que acharam da resenha ^.^ Ah, e caso tenham interesse em comprar o livro e quiserem me ajudar, usem o meu link, assim vocês me  ajudam a ganhar uma pequena comissão ツ

Até a próxima, cativados! 

NOS VEMOS NOS PAPÉIS LEGAIS POR AÍ

Meus covers favoritos do Boyce Avenue


Antigamente eu era bem desligada desse mundo musical, mas depois que tomei vergonha na cara e criei minha conta no Spotify, fiquei um pouco mais antenada nos lançamentos. Sou bem eclética quanto ao meu gosto musical, mas posso dizer que amo músicas com uma pegada mais acústica. Então, antes de criar a minha conta, eu só escutava músicas pelo youtube nas raras vezes que me dava o prazer de navegar por lá, e acabei conhecendo cantores e bandas incríveis; uma dessas bandas foi o Boyce Avenue. Isso foi ótimo, pois ~finalmente~ consegui atualizar minhas playlists que tinham as mesmas músicas há quase dois anos (pasmem!) e dar espaço para novos cantores, só para variar, hehe.

Apesar de já conhecer essa banda há algum tempo, nunca tinha parado para escutar os covers que eles fazem de músicas conhecidas. Então decidi ir lá no YouTube ver e, assim que comecei a escutar, não consegui mais parar. Sabe aquelas pessoas que tem uma voz que quando você escuta não quer mais parar de ouvir, não importa o que a pessoa fale, você só quer que ela continue pra poder continuar a escutar a voz dela? Então, é assim que eu me sinto quando começo a escutar os covers deles. Nisso que foi super difícil escolher só alguns, mas trouxe os meus preferidos com algumas participações especiais para tentar convencer alguém do lado daí a começar a escutar também :p

Stitches 


Use Somebody 


❤ Dream On 


❤ Hanging By A Moment 


Heathens 


❤ Closer 


❤ A Thousand Years 


Foi muito difícil escolher só essas músicas, mas elas são só algumas das minhas favoritas. Ah, e só para deixar claro, eu não sou fã dos filmes da Saga Crepúsculo, mas confesso que fui assistir o último filme no cinema (vamos deixar isso em off, ok?) e me apaixonei pela música A Thousand Years no momento em que a ouvi e amo ela até hoje. Apesar de gostar muito dela na voz da Christina Perri, ela também ficou muito linda nesse cover do Boyce Avenue, o que só me fez ficar ainda mais apaixonada por ela.

Claro que tem vários outros que eu gostaria de ter colocado aqui, mas aí eu iria acabar colocando todos, até mesmo o da abertura de Game Of Thrones (Sim! Eles fizeram o cover daquele toquinho da abertura da série hehe). A única coisa que tenho a dizer é que vale muito apena passar no canal deles para conferir os outros covers. Garanto de pés juntinhos que vocês também vão adorar conhecer!

E aí, vocês já conheciam os covers deles? De qual vocês mais gostaram? Me contem aqui nos comentários que eu vou adorar saber ツ

Até a próxima, cativados! E nos vemos nos papéis legais por aí 

Escola dos Mortos (Karine Vidal)


Quando a Karine me mandou uma mensagem propondo uma parceria, eu fique extremamente feliz, porque eu já tinha me deparado algumas vezes com o livro dela, mas nunca tinha chegado a procurar conhecer mais sobre a história, por motivos de; ressaca literária e leituras atrasadíssimas! Então, quando ela me propôs essa parceria, achei uma boa oportunidade de dar uma chance a essa leitura que despertou meu interesse assim que bati o olho no título. Mas afinal, quem é que não fica curioso com um livro intitulado Escola dos Mortos?

E dentro dos caixões, os mortos nunca dormem


Lara Valente irá morrer. Mas sua história não termina por aqui. Pelo contrário: é aí que ela começa. 
A jovem carioca será enviada para um misterioso internato na Inglaterra. Mas o lugar esconde um segredo. Lara se deparará com vozes de gente morta em gravadores, assassinatos misteriosos no colégio, meninas mortas que ainda moram nos quartos, e um despertar assustador num caixão. 
Tudo isso vai leva-la a descobrir que, por trás da fachada da Escola dos Sotrom, existe uma Escola muito mais perigosa, cheia de segredos, pactos e mortes. 
Nessa Escola repleta de ocultismo, Lara será assassinada. Mas sua história ainda não terminou. Ela acordará em um mundo paralelo, um universo glamouroso onde vivem a nata dos melhores, escolhidos à dedo pela Morte. 
A Escola dos Mortos abriga os que foram assassinados e enviados para lá. Uma sociedade escondida em que existem apenas os melhores, coexistindo em segredo, bem debaixo do nariz da Escola dos Vivos. 
Adolescentes mimadas, carros luxuosos, segredos escandalosos, campeonatos, corridas e caçadas. 
Lara irá se apaixonar por um homem perigoso. Luka Ivanovick, com seus olhos negros, hostis e arrogantes – repletos de ocultismo e falta de respostas. Através dele, Lara descobrirá a cruel história por trás de sua morte. 
Paixão, mistério e um jogo de sedução escuro e apimentado irão acontecer entre o mundo real e o misterioso mundo noturno da Escola – até Lara descobrir que, dentro dos caixões, os mortos daquele lugar nunca dormem.


Essa história é uma mistura de fantasia, romance dark e suspense. Logo na sinopse já é deixado claro que Lara irá morrer, mas também é deixado claro que é a partir de sua morte que a história começa. De fato é a partir desse acontecimento que vamos adentrar em um mundo completamente diferente daquele ao qual Lara foi enviada para estudar. Vamos conhecer o mundinho que a Morte criou para colocar todos os alunos que são interessantes e brilhantes em um só lugar, e como é a vida deles na Escola dos Mortos. Mas, um pouco além disso, também vamos conhecer um outro lado da Morte, um lado mais humano, por assim dizer.

Comecei a leitura do livro sem muitas expectativas, então não imaginava que iria lê-lo tão compulsivamente. A leitura é muito instigante e, quando me dei conta, não conseguia parar de pensar na história e em todas as coisas que tinha acabado de ler, criando teorias de quem era a pessoa que matava os alunos na Sotrom, ou tentando desvendar os segredos da família Ivanovick (ô família misteriosa, viu!). Só sei que eu estava quase dando uma de Sherlock Holmes, anotando cada detalhe que me chamava a atenção e tentando descobrir os mistérios de toda a história. Ok, alguns eu até consegui descobri antes de serem revelados e até fiquei eufórica quando confirmei, mas alguns me pegaram completamente de surpresa.

O que começou a me encantar na história foi a arquitetura da escola Sotrom, que me fez muito lembrar aqueles castelos medievais antigos. Isso me fez desejar muito ir estudar naquela escola e me fez entrar ainda mais de cabeça na história. Eu conseguia imaginar tudo direitinho dentro dela, como se estivesse assistindo a uma série. Sim, esse é aquele tipo de leitura que as cenas ficam passando diante de nossos olhos de tão envolvidos que ficamos com a história. E acho até que é isso que deixa a leitura tão viciante, ao ponto de não deixar o leitor sossegado até chegar ao último ponto final, onde ~finalmente~ descobrimos todos os mistérios da trama.

Os personagens também não deixam a desejar. Eles são divertidos, carismáticos e bem construídos, cada um com seu jeito de ser e sua personalidade marcante. Os protagonistas são como fogo quando estão juntos, mas não vou negar que eles acabaram me incomodando em alguns pontos. O Luka, por exemplo, é um personagem extremamente possessivo, mas também é super protetor (o que explica um pouco a possessividade dele em certos momentos). Só que, o fato de ele não se aproximar da Lara, mas também não deixar ninguém chegar perto, me irritou um pouco. Mas ainda assim, ele não deixa de ser um personagem irresistível e que me deixou de queixo caído depois de uma revelação aí...

Já a Lara, eu gostei muito dela, porque ela é aquele tipo de personagem que não abaixa a cabeça pra ninguém e que tem uma personalidade forte. Mas, o que me incomodou um pouquinho foi ela ficar com uma certa dependência da presença do Luka, mas nada que estrague a personagem. Aliás, acho até que isso é coisa minha cabeça mesmo, mas enfim.


Escola dos Mortos foi uma leitura surpreendente pra mim, porque não é sempre que livros com essa pegada me agradam tanto quanto este e que me tira o fôlego a cada descoberta e reviravolta. Posso dizer que essa foi uma das minhas melhores leituras do ano, principalmente por ser um livro nacional. Gostei muito da forma que a autora conduziu toda a trama e do ar nostálgico de duas sagas bem conhecidos pelos leitores (as quais não irei dizer, hehe). Mesmo com o ar dessas duas sagas, a autora conseguiu trazer algo novo e ao mesmo tempo único, e eu amei muito isso.

Pra finalizar, eu recomendo muito esse livro para quem está procurando algo diferente na literatura nacional. A história é fluída, gostosa e intensa, além de deixar aquele gostinho de quero mais quando acaba. Foi uma experiência incrível poder ler esse livro e agradeço muito à Karine por essa oportunidade *-* (sério, mulher, obrigada por ter me proporcionado uma das minhas melhores leituras do ano!).


Apesar de alguns errinhos que encontrei durante a leitura, como uma mistura de passado e presente na mesma frase, isso não interferiu em nada no rendimento dela. O livro ainda não tem uma versão física, mas, se não me engano, ela vai sair esse mês, yay! Ah, e como se não bastasse isso, a história também vai ter uma continuação, e só espero que ela não demore muito, porque eu não sei se vou me aguentar de curiosidade, hehe.





Título: Escola dos Mortos | Autora: Karine Vidal | Editora: Livro Novo | Páginas: 749 | ISBN: B0725Q9M91

Adicione: Skoob (ou compre aqui!)

Alguém aí já tinha ouvido falar do livro? Ficou curioso ou com vontade de ler? Não se esqueça de me dizer aqui nos comentários, chuchus! Ah, e uma vez aluno da Sotrom... Para sempre aluno da Sotrom.

Até a próxima, cativados! E nos vemos nos papéis legais por aí ツ