Ao abismo sem fim

Foto/reprodução: Tumblr

Minha respiração está lenta. Posso sentir que há algo de errado com ela. É como quando você anda dentro de um carro em alta velocidade, com as janelas abertas e o vento batendo no seu rosto, te fazendo ter uma certa dificuldade para respirar. Quanto mais você tenta manter a respiração normal, mais difícil a tarefa fica. É como estar em uma montanha russa sem o sinto de segurança. Você fica segurando na barra de proteção o mais forte possível e torcendo pra sair dessa vivo, tentando controlar a respiração enquanto o carrinho dá as voltas.

É assim que tenho me sentido ultimamente; dentro de uma montanha russa, dando voltas e mais voltas, sem sair do mesmo lugar. As coisas tem estado confusas ao meu redor, e eu sinto como se estivesse caindo de um salto de paraquedas, sem os paraquedas. Está tudo fora de foco, nublado, frio e vazio, e é esse vazio que tem dominado o meu peito, fazendo tudo ao meu redor ficar preto e branco, além de fazer tudo ficar bem pior que antes.

O ar tem me faltado nos pulmões, e, a cada tentativa frustrada de tentar recuperá-lo, a coisa vai ficando mais complicada. Será que meus pulmões esqueceram como funcionam? Ou será que eles é que não estão mais capacitados a funcionarem? Querem deixar de trabalhar e me deixar sem ar. Como eu posso viver sem ar? Estou desesperada por ele e não sei quanto tempo mais vou suportar não respirar.

Apenas continue...

A redoma de vidro que construí está virando uma caverna aos poucos, e é isso que tem feito o ar desaparecer daqui. Ele quase não tem mais como entrar nem sair. Está tudo escurecendo, mas não é uma escuridão qualquer. É uma escuridão que me puxa para um abismo sem fim. Eu já estive lá, mas consegui escapar por um milagre. Só que dessa vez eu não sei se conseguiria, porque acho que quero me entregar para a escuridão desse abismo. Quero deslizar naquela sensação de estar caindo sem nunca chegar ao chão. Ou de simplesmente estar flutuando de costas pelo céu cinzento de uma manhã nublada. Ou estar mergulhando em uma banheira até eu não conseguir mais prender a respiração.

Apenas continue respirando...

Ainda me sinto sem ar. Minha respiração continua lenta e pesada. O que eu faço? Sinceramente, eu não sei. Só sei que preciso encontrar um meio para recuperar o fôlego antes que ele acabe de vez e seja tarde demais. Mas, ao mesmo tempo, quero me entregar aquele abismo; cair por entre suas paredes frias e deslizar pela sua escuridão. Poder sentir o vento frio sobre o meu rosto e aquele eco ensurdecedor do vazio.

Quero me entregar; me envolver nos braços da escuridão...

Não desista... Continue... a... res... pirar...

Apenas... Continue...

***

Só um pequena nota sobre este texto: ele foi escrito há um bom tempo, no meio de uma crise de ansiedade, onde eu estava sentindo muita dificuldade em respirar e entrando em desespero por conta disso. Decidi compartilhar ele só agora porque não achei justo continuar deixando ele esquecido aqui nos rascunhos. Ah, e ele nada condiz com a atualidade. Foi só um momento em que precisava colocar algumas sensações pra fora e acalmar meus pensamentos. :)

happy days #2







Parece que foi ontem que tive a ideia de trazer o primeiro happy days aqui para o blog. A princípio minha ideia era fazer esse post mensalmente, mas não deu muito certo, já que não consegui postar ele em julho. Como não quero torná-lo uma espécie de "obrigação" nem nada, decidi que vou postar sempre que sentir vontade. Outra que nos meus dias não acontecem nada de tão extraordinário assim para compartilhar sempre por aqui, mas sempre  tem aqueles dias felizes que valem a pena guardar em um cantinho especial hehe.

1 e 2. Happy bday to me: dia 5 de julho foi meu aniversário, mas como não planejei absolutamente nada para esse dia, decidi me dar ao menos um presente para não deixar ele passar em branco. Acabou que entrei em uma lojinha muito amô e encontrei esses dois caderninhos por lá. Como eu já estava planejando comprar um caderno para o meu creative journal, já que eu não aguentava mais usar meu caderno artesanal e ver tudo torto por lá, (toc de coisas tortas, argh!), acabei comprando um para isso. Fiquei bem feliz com essa minha nova aquisição e claro, já comecei a usá-lo ;p

3. Dino Jake: as coisas vão ficar em ordem aleatórias porque sim! Se tem uma coisa que amo muito ganhar (além de livros, é claro!) é ursinhos de pelúcias. Esse em questão, ganhei de um amigo muito querido, e desde então ele se tornou o meu xodó hehe. Eu fiquei pensando muito em um nome pra ele, mas isso estava me deixando muito indecisa, então foi por sorteio (risos). 

4. Olivaras - loja de varinhas: é oficial, finalmente tenho uma varinha para chamar de minha! Eu pensei seriamente em me presentear com uma varinha de algum dos personagens, mas também desejava muito ter uma que fosse minha, como se eu mesmo tivesse ido ao Olivaras e tido toda aquela experiência que o Harry teve quando foi comprar a varinha dele no primeiro ano de Hogwarts. Bom, depois de algum tempo adiando, pensando em como faria para realizar esse desejo e depois de ver alguns diy's no youtube, comprei alguns materiais e fiz a minha própria varinha. Fiquei bem feliz com o resultado, mesmo que ela não tenha ficado exatamente do jeito que imaginei ;p. Futuramente penso em comprar uma de algum dos personagens, mas enquanto não decido de qual, segurei fazendo feitiços com a minha hihi.

5. Ravenclaw: esses dias dei aquela passada básica na Riachuelo só para namorar as coisas de Harry Potter (quem nunca? haha). Sempre ficava namorando essas garrafinhas por lá, e ficava muito triste por só encontrar as da Grifinória -_- Porém, entretanto, todavia... nesse dia em questão tive um pouco mais de sorte e ~finalmente~ encontrei essa coisa linda perdida no meio das outras. Só lamentei muito por já ter gastado o dinheiro antes de ir na Riachuelo, mas por outro lado também fiquei feliz, pois acabei encontrando uma do Star Wars também, ou seja, entraria em conflito entre qual das duas trazer para casa (risos).

6. The sun will shine on us again: e por último, mas não menos importante, só queria compartilhar essa foto com essa frase (que ainda me faz sofrer muito) que tem feito muito sentido na minha vida nesses últimos meses, e nos últimos dias principalmente. Não sou uma pessoa que acredita em destinos e em acasos, mas sei que tudo acontece por algum motivo na nossa vida. Sei que não importa o quão forte seja a tempestade, ou quão agitada esteja a maré, o sol sempre volta a brilhar novamente. Esses últimos dias tem sido os mais cheios de emoções e reviravoltas, e por mais que eu sempre tenha uma certa insegurança com essas coisas, posso dizer que estou muito feliz por tudo o que tem acontecido, até mesmo as coisas "ruins". O universo pode parecer conspirar contra nós muitas vezes, mas ele sempre traz as coisas no seu devido tempo ❤

Bom, por hoje isso é tudo! Espero que tenham gostado desse segundo happy days.

Como foi o mês de vocês? Vou adorar saber as coisas legais que aconteceram aqui embaixo :)

Com amor, A ❤